Chamada de artigos - Revista Brasileira de Economia Criativa e da Cultura

A Revista Brasileira de Economia Criativa e da Cultura, convida pesquisadores e pesquisadoras a apresentar artigos em torno dos temas “Internacionalização, transversalidade e território” e “Cultura e desenvolvimento”, a fim de compor as próximas duas edições da publicação.

 

Internacionalização, transversalidade e território

Chamada de artigos: de 23/07/2018 a 31/08/2018

Lançamento: Setembro de 2018

 

O objetivo é reunir trabalhos que discutam em termos econômicos o interesse internacional pelos atores culturais do país, seja pela via do consumo direto ou por meio de cooperações institucionais. Interessam à revista, particularmente, estudos que investiguem a reformulação e a conformação de novos mercados para a cultura brasileira. São bem-vindos também trabalhos que apurem a ação do Estado e de agentes não governamentais na projeção da imagem do Brasil no exterior visando a abertura de mercados para a indústria criativa.


 

Cultura e desenvolvimento

Chamada de artigos: de 23/07/2018 a 31/10/2018

Lançamento: Novembro de 2018

 

O objetivo é reunir trabalhos que discutam, através de pesquisas econômicas, os pontos de intersecção entre cultura e crescimento econômico. Interessam à revista, particularmente, trabalhos que problematizem políticas públicas voltadas à promoção da cultura, contemplando as particularidades e a diversidade cultural. Assim como pesquisas que compreendam os efeitos heterogêneos da ação do Estado e do Mercado sobre a produção da cultura. São bem-vindas também pesquisas que façam recortes de classe, racial, étnico, etário, sexual e de gênero.


 

As orientações para autores podem ser conferidas aqui.

A primeira edição da Revista Brasileira de Economia Criativa e da Cultura pode ser conferida aqui.

Dúvidas podem ser encaminhadas para o e-mail revistaneccult@ufrgs.br

Economia criativa e disparidades: inspirações e desafios do Cool Britain para um Brasil Criativo

Foi publicada recentemente uma contribuição do professor e pesquisador do NECCULT, Leandro Valiati, na Revista do Centro de Pesquisa e Formação do SESC. O artigo, escrito em parceria com Paul Heritage, Professor de Drama e Performance da Queen Mary University of London e Diretor Artístico de People’s Palace Projects, apresenta uma visão crítica e estruturada sobre o conceito de Economia Criativa.


Nesse panorama é analisada, em perspectiva histórica, a formação de políticas públicas para as indústrias criativas (centro da Economia Criativa), inscrita no projeto inglês de desenvolvimento. Além disso, em perspectiva comparada, é empreendida uma análise da política pública produzida no Brasil, orientada para o desenvolvimento das Indústrias Criativas.

Considerando as diferenças estruturais existentes entre os modelos, bem como aspectos de relevância no debate sobre os padrões de desenvolvimento a partir das indústrias criativas, o artigo propõe uma reflexão crítica a fim de localizar o debate sobre o tema na esfera de uma visão contemporânea sobre padrões de desenvolvimento global do sistema econômico mundial.

O texto pode ser conferido na íntegra aqui.

A Revista do Centro de Pesquisa e Formação do SESC pode ser acessada aqui.

[Selecionados] ASSISTENTE DE CONTEÚDO E PESQUISADOR I E II

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando bolsistas para as vagas de Pesquisador I e II e de Assistente de Conteúdo, até o dia 15 de julho de 2018.

 

As vagas para Pesquisador I e II são orientadas pelo Processo Seletivo para Bolsista Pesquisador I e II n° 008/2018. Entre as atribuições estão a colaboração na redação de relatórios de pesquisa, a tabulação de dados, a escrita de relatórios técnicos e a elaboração de tabelas e gráficos.

Os interessados nessa vaga devem estar regularmente matriculados em cursos de pós-graduação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas.

 

Já vaga para Assistente de Conteúdo é orientada pelo Processo Seletivo para Bolsista Assistente de Conteúdo n° 009/2018. Entre as atribuições estão a redação de apostilas para cursos de extensão a distância, a roteirização de vídeos para as aulas e a leitura e sistematização de conteúdo.

Os interessados nessa vaga devem estar regularmente matriculados em cursos de pós-graduação em Sociologia, Economia, Políticas Públicas, Ciência Política, Antropologia ou Relações Internacionais.

 

Mais informações sobre o cronograma de seleção, carga horária, remuneração, avaliação dos candidatos, banca examinadora e condições da contratação, estão disponíveis nos documentos dos Processos Seletivos.

As inscrições para as vagas devem ser realizadas por meio de envio do currículo atualizado e do histórico escolar para o e-mail pessoasneccult@ufrgs.br até o dia 15 de julho.

 

Documentos

Processo Seletivo para Bolsista Pesquisador I e II n° 008/2018

Processo Seletivo para Bolsista Assistente de Conteúdo n° 009/2018

Pesquisador I e II - Horário das Entrevistas

Assistente de Conteúdo - Selecionados para aula teste

Assistente de Conteúdo - Selecionados para entrevista

 

Selecionados - Pesquisador I e II

Selecionados - Assistente de Conteúdo

[Selecionados] - Assistentes de Pesquisa I e II

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando bolsistas para as vagas de Assistente de Pesquisa I e II, até o dia 15 de julho de 2018.

As vagas para Assistente de Pesquisa I e II são orientadas pelo Processo Seletivo para Bolsista Assistente de Pesquisa n° 010/2018. Entre as atribuições estão a colaboração na redação de relatórios de pesquisa, tabulação de dados, escrita de relatórios técnicos, elaboração de tabelas e gráficos.

Os interessados na vaga de Assistente de Pesquisa I devem estar regularmente matriculados em cursos de graduação em Ciências Humanas e Sociais Aplicadas. Já os interessados na vaga de Assistente de Pesquisa II devem estar regularmente matriculados nos cursos supracitados, a partir do 6º semestre.

Mais informações, sobre carga horária, remuneração, avaliação dos candidatos, banca examinadora e condições da contratação, estão disponíveis no documento do Processo Seletivo.

As inscrições para as vagas devem ser realizadas por meio de envio do currículo atualizado e do histórico escolar para o e-mail pessoasneccult@ufrgs.br até o dia 15 de julho.

 

Cronograma da seleção

De 02 a 15 de julho – Inscrições mediante envio de currículo e histórico escolar para o e-mail pessoasneccult@ufrgs.br

16 de julho – Divulgação dos selecionados da primeira fase do processo seletivo no site do NECCULT

18 de julho – Realização das entrevistas presenciais

Até 20 de julho – Divulgação do resultado final do processo no site do NECCULT

 

Documentos

Processo Seletivo para Bolsista Assistente de Pesquisa I e II nº 010/2018

Retificação 001 - Alteração dos requisitos das vagas

Assistente de Pesquisa I e II - Horários das Entrevistas

 

Selecionados - Assistente de Pesquisa I e II

[Retificação 002] SELEÇÃO DE BOLSISTA - COORDENADOR DE TI

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando um bolsista para a vaga de Coordenador de TI, até o dia 20 de junho.

Entre as atribuições estão o desenvolvimento de aplicações web, a realização da análise de requisitos de sistemas web, a produção de código limpo, bem documentado e estruturado, o desenvolvimento e realização da manutenção de bases de dados, entre outros. Os interessados devem estar regularmente matriculados em cursos de graduação em ou pós-graduação na área de TI da UFRGS ou então atuar como docente da área na UFRGS.

Mais informações sobre carga horária, remuneração, avaliação dos candidatos, banca examinadora e condições da contratação, estão disponíveis no documento do Processo Seletivo.

A inscrição para a vaga deve ser realizada por meio de envio do currículo atualizado e do histórico escolar (apenas alunos) para o e-mail pessoasneccult@ufrgs.br, até o dia 20 de junho.

 

Cronograma da seleção

Até 20 de junho – Inscrições mediante envio de currículo e histórico escolar (apenas alunos) para o e-mail pessoasneccult@ufrgs.br

22 de junho – Seleção de currículos e divulgação dos selecionados da primeira fase do processo seletivo

25 e 26 de junho – Realização das entrevistas presenciais

27 de junho– Divulgação do resultado final do processo no site do NECCULT

 

Documentos

Processo Seletivo de Bolsista - Coordenador de TI

Retificação 001 - Alteração do prazo de inscrições

Retificação 002 - Alteração do prazo de inscrições

Pesquisador do NECCULT participa de conferência promovida na Universidade Paris 13

O professor Leandro Valiati, pesquisador do NECCULT, participará na terça-feira, dia 22, de uma conferência promovida pelo Labex ICCA, da Universidade Paris 13. O evento, intitulado “Financing Culture and Cultural Voucher: an overview about the Brazilian system” ocorrerá na Maison des Sciences de l’Homme Paris Nord, às 10h00.

A conferência se insere na perspectiva do projeto estruturante “French Model”, apresentando uma análise conceitual e estatística sobre o Vale Cultura no Brasil. A influência francesa foi a principal fonte de paradigmas da política cultural brasileira desde a sua institucionalização em 1930, colocando o Estado como principal agente na democratização da cultura. As ideias centrais que movem o sistema cultural brasileiro desde então se concentram em patrocínio, descentralização, investimento direto e, mais recentemente, no Vale Cultura, instituído por meio da Lei 12.761.

O benefício de R$ 50 mensais, concedido pelo empregador para seus funcionários, procura garantir o acesso dos trabalhadores à cultura, além de oferecer benefícios fiscais para a empresa. O benefício não tem caráter obrigatório (como ocorre com o Vale-Alimentação, por exemplo). As empresas que aderem ao programa reforçam o compromisso com o bem-estar de seus trabalhadores, agregando valor ao salário, sem incidência de encargos sociais e trabalhistas. Com o Vale-Cultura, as empresas tributadas em lucro real podem deduzir – a título de investimento no programa – até 1% do imposto de renda.

No site do Ministério da Cultura, estão disponíveis mais informações sobre o Programa.

 

Financing Culture and Cultural Voucher: an overview about the Brazilian system

Data: 22/05/2018

Horário: 10h00

Local: Maison des Sciences de l’Homme Paris Nord, França.

INSCRIÇÕES ABERTAS PARA O TERCEIRO CURSO GRATUITO DE CAPACITAÇÃO PARA O MERCADO DE JOGOS ELETRÔNICOS

O terceiro curso de capacitação para o mercado de jogos eletrônicos, denominado “Internacionalização no setor de games”, já está disponível. O curso, assim como os anteriores, foi gerado a partir do conteúdo dos debates da edição de 2017 do Brazil’s Independent Game Festival (BIG Festival) - o maior festival de jogos independentes da América Latina. A formação é resultado de uma parceria entre o Ministério da Cultura, a Associação Brasileira dos Desenvolvedores de Jogos Digitais (Abragames) e o Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (NECCULT-UFRGS).

Em seu terceiro nível, o curso apresenta oportunidades de atuação internacional e a rede de apoio estruturada para orientar os desenvolvedores nessa etapa. Oferece uma visão geral do processo de internacionalização e mostra como o setor de games pode ser entendido nesse contexto, atentando para o projeto Brazilian Game Developer (BGD) e para as iniciativas da Apex-Brasil e da Ancine em parceria com a ABRAGAMES. Nesse terceiro curso também se discute possibilidades de investimento que impulsionam a atuação internacional dos desenvolvedores brasileiros, incluindo as características de potenciais mercados para expansão das empresas brasileiras, como a China e a América Latina.

No total são três cursos de 30 horas, disponibilizados na modalidade de educação a distância (EAD). O primeiro curso, intitulado “O setor de games no Brasil: panorama, carreiras e oportunidades”, foi lançado em janeiro e se dirige a um público amplo, adaptado aos iniciantes no setor, sem deixar de considerar os desenvolvedores mais experientes na área. O curso “Dicas e desafios para empreendedores” foi lançado em março e tem como objetivo explorar os desafios na consolidação de um empreendimento no setor de games no Brasil.

As aulas dos três cursos podem ser acessadas pela plataforma de cursos Lúmina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, onde está organizado o material de apoio, composto por guias de estudo, vídeos e atividades. Ao final de cada curso será gerado um atestado de conclusão na própria plataforma. Durante o BIG Festival 2018, entre os dias 27 e 29 de junho em São Paulo, haverá uma solenidade de entrega de certificado para as dez primeiras pessoas que completarem todos os cursos.

Cadastro de acesso ao curso

NECCULT e Universidade Paris 13 realizam pesquisa conjunta

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT), da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e o Labex ICCA, da Universidade Paris 13, estão desenvolvendo uma pesquisa conjunta intitulada “A Abordagem Brasileira do Modelo Francês de Política Cultural: dinâmica institucional, orçamento público e a regulação na economia da cultura”, visando observar a influência dos paradigmas de políticas culturais na França sobre a formulação e implementação de políticas culturais no Brasil.

No interior do modelo francês de política cultural, ao longo do século XX, destacam-se dois paradigmas . O primeiro foca na democratização da cultura perseguiundo uma estratégia de estimular a aproximação entre a cultura ocidental e as classes populares através da facilitação do acesso ao patrimônio. Dessa maneira, caracteriza-se pela posição da cultura erudita no topo hierarquia cultural, pela priorização de manifestações culturais ditas mais elevadas, pela concentração na esfera federal e pelo foco na fruição, dedicando pouca atenção à produção como etapa necessária à formação de capital cultural.

Considerando as relações históricas entre Brasil e França, a influência francesa foi a principal fonte de paradigmas da política cultural brasileira desde a sua institucionalização em 1930, ainda no interior do Ministério de Educação e Saúde. Ao longo do período desenvolvimentista, entre as décadas de 1930 e 1980, o paradigma da democratização da cultura inspirou os objetivos estratégicos e as ações governamentais decorrentes. Durante a Era Vargas (1930-1945) e o curto período democrático (1945-1964), foram perseguidas políticas de industrialização, modernização da burocracia estatal e construção da identidade nacional. Ao longo da ditadura militar (1964-1985), o paradigma da democratização da cultura foi aprofundado em um contexto no qual a cultura importava para a integração nacional, apresentando um viés autoritário, tentando superar a diversidade regional em favor de uma pretensa cultura nacional homogênea, ao mesmo tempo em que consolidou as indústrias culturais brasileiras e um mercado de massa em torno delas. Vale notar que a influência estadunidense sobre a ditadura brasileira manifestou-se na abertura do mercado de bens culturais à indústria cultural estadunidense.

Nas décadas mais recentes, durante o governo Lula (2003-2010), por sua vez, o modelo francês de política cultural, por meio do paradigma da democracia cultural, volta ao centro da formulação de ações governamentais, cujo principal objetivo se volta a promoção da diversidade cultural e a expressão de valores culturais formulados em circuitos simbólicos espaços periféricos. Com o fim do período Lula, o governo Rousseff (2011-2016) caracterizou-se pela instabilidade na condução da política cultural, de modo que a sucessão de ministros diferentes esteve associada à influência de diversos paradigmas como o britânico, o da democracia cultural, dentre outros. A Lei do Audiovisual (2011), principal mudança institucional do período, que estabelece cotas para o conteúdo nacional e independente, é um legado da gestão anterior.

Considerando a trajetória histórica das políticas culturais no Brasil, o estudo em parceria com o  Labex ICCA é desenvolvido com ênfase na dimensão institucional, econômica e regulatória, considerando o Modelo Francês como a principal fonte estrangeira na qual os princípios e objetivos da política cultural brasileira são inspirados. A pesquisa está organizada em torno de três eixos: i) análise comparativa de política institucional setorial entre o Brasil e a França; ii) análise de financiamento e orçamento governamental aplicado no âmbito econômico política cultural; iii) digitalização e análise regulatória diante das novas configurações de mercado ascendentes com a digitalização.

Mais informações sobre a pesquisa podem ser lidas aqui.

PT ES EN