Inscrições abertas para o curso Gestão Cultura, do NECCULT

O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está promovendo seu novo curso de capacitação, intitulado Gestão Cultural: desenvolvimento, território e sociedade. O curso é uma iniciativa do NECCULT, em parceria com a UFRGS e o Ministério da Cultura, que procura capacitar gestores e gestoras culturais atuantes em entidades públicas e privadas quanto ao planejamento, formulação e implementação de projetos culturais de sucesso. O foco consiste em combinar abordagens teóricas com experiências em gestão cultural realizadas no Brasil e internacionalmente.

Serão doze aulas distribuídas em seis módulos, cada um com dois encontros semanais (das 19h às 21h30):

Módulo I - Economia da cultura e políticas públicas: o panorama brasileiro - 09 e 10 de outubro
Módulo II - Gestão de equipamentos culturais no Brasil: organização, coordenação e desafios - 16 e 17 de outubro
Módulo III - Gestão de projetos: planejamento, monitoramento e avaliação - 23 e 24 de outubro
Módulo IV - Cultura na prática: formulação e execução de projetos - 30 e 31 de outubro
Módulo V - Experiências internacionais em gestão cultural - 06 e 07 de novembro
Módulo VI - Compartilhando aprendizados e perspectivas: gestão cultural, território e realidade social - 13 e 14 de novembro

As aulas serão ministradas por profissionais das esferas pública e privada com experiência nas áreas de economia da cultura, gestão de projetos, políticas públicas, coordenação de empreendimentos culturais, entre outras.

As inscrições poderão ser realizadas no período de 04 de setembro à 29 de setembro, no formulário.

O processo de seleção será realizado por uma Comissão de Seleção, designada pelo Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura (NECCULT), levando em consideração o público alvo definido. Os critérios de seleção estão definidos no Termo de Referência do curso.

A atividade é gratuita e as vagas são limitadas!

Indústrias Criativas são tema de monografia defendida por pesquisadora do NECCULT

Camila Lohamann Cauzzi, pesquisadora do NECCULT, defendeu a monografia intitulada “Indústrias Criativas e Novas Tendências do Mercado de Trabalho: Uma análise do Modelo Britânico”, na Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no primeiro semestre de 2017.

Camila Cauzzi analisou as Indústrias Criativas e as novas tendências do mercado de trabalho a partir do modelo britânico, considerando as mudanças nas organizações de produção do paradigma pós-fordista e as discussões sobre a importância do conhecimento e da criatividade no processo de trabalho. Considerando a terminologia indústrias criativas, que marcou uma reorientação das políticas públicas - previamente assentadas na cultura -, a monografia apresenta o novo modelo britânico de definição das indústrias criativas, comparando-o com os demais modelos existentes e analisando os dados mais recentes desenvolvidos com essa metodologia. Os dados apontam para o crescimento mais acentuado da força de trabalho das indústrias criativas em comparação ao total de trabalhadores da economia britânica, um maior valor adicionado oriundo dessas indústrias, e altos níveis de qualificação e posições socioeconômicas dos trabalhadores criativos britânicos.  A conclusão do trabalho indica que o modelo do Reino Unido é o mais adequado para o contexto econômico e organizacional da economia criativa, sendo capaz de captar esse processo em toda a atividade econômica, além de classificar, de forma distinta, aquelas indústrias que são mais intensivas em trabalhadores criativos; bem como que a metodologia britânica é transparente e consistente, podendo ser aplicada nos dados de outros países, de modo a atuar como um eficiente instrumento de política pública para outras economias e contextos.

Confira o trabalho completo aqui.

Pesquisadora do NECCULT defende monografia sobre Arte Contemporânea

No primeiro semestre de 2017, Natália Rava, pesquisadora do NECCULT, defendeu a monografia intitulada Análise do Mercado Brasileiro de Arte Contemporânea: Conjuntura Econômica e Inserção Internacional sob a perspectiva do Projeto Latitude, na Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Natália Rava abordou o mercado brasileiro de Arte Contemporânea em seu trabalho, destacando a relevância desse setor, reflexo do volume de obras comercializadas no mercado primário, da alta valorização das obras no mercado secundário e da diversidade de nichos de mercados. Partindo dessa posição, a monografia tem por objetivo analisar a conjuntura e as perspectivas econômicas do mercado brasileiro de arte contemporânea (voltando-se exclusivamente para as manifestações artísticas sob formato de pinturas e esculturas), apresentando reflexões sobre como se organiza o mercado de arte, o panorama internacional da arte contemporânea e seu desenvolvimento no Brasil. A estruturação do trabalho se dá em três partes: i) breve reflexão teórica utilizando referências bibliográficas dos campos de Economia da Cultura e Sociologia Econômica da Arte; ii) análise da conjuntura econômica internacional da arte contemporânea, a concentração de países que se observa nesse setor e os seus mecanismos de internacionalização; iii) investigação, a partir dos dados produzidos pelo projeto setorial Latitude (ABACT/APEX), do cenário econômico do mercado de arte contemporânea brasileira, utilizando como referencial a criação de indicadores econômicos para uma mensuração do panorama nacional e internacional do setor.

Confira o trabalho completo aqui.

NECCULT seleciona bolsistas de pesquisa e comunicação - Horários Entrevistas atualizado

Lista de selecionados para Segunda Etapa do Processo Seletivo Nº 001/2017 - Vagas Assistente de Pesquisa

Lista de selecionados para Segunda Etapa do Processo Seletivo Nº 002/2017 - Vaga Assistente de Comunicação

As entrevistas serão realizadas nos dias 21 e 22 de setembro no NECCULT (Av. João Pessoa, 52 – FCE – Anexo). 


O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando bolsistas para as vagas de Assistente de Pesquisa e Assistente de Comunicação, até o dia 18 de setembro.

Serão três vagas para assistente de pesquisa, conforme o Processo Seletivo de Iniciação Científica nº 001/2017. Entre as atribuições estão revisão bibliográfica, colaboração na redação de relatórios de pesquisa, revisão de produtos técnicos e tradução de textos acadêmicos. Os interessados devem estar regularmente matriculados nos cursos de Ciências Econômicas, Relações Internacionais ou Políticas Públicas.

Mais informações, sobre carga horária, remuneração, avaliação dos candidatos, banca examinadora e condições da contratação, estão disponíveis no documento do Processo Seletivo.

A vaga para assistente de comunicação tem como atribuições coberturas jornalísticas dos eventos do NECCULT, monitoramento e produção de conteúdo para as mídias sociais do Núcleo, planejamento de ações de comunicação, contato com o público e organização de materiais. Os interessados devem estar regularmente matriculados em qualquer curso de graduação da UFRGS, conforme o Processo Seletivo de Iniciação Científica nº 002/2017.

Mais informações, sobre carga horária, remuneração, avaliação dos candidatos, banca examinadora e condições da contratação, estão disponíveis no documento do Processo Seletivo.

As inscrições para as vagas devem ser realizadas por meio de envio do currículo atualizado e do histórico escolar para o e-mail pessoasneccult@ufrgs.br até o dia 18 de setembro.

 

Cronograma da seleção (atualizado)

Até 18 de setembro – Inscrições mediante envio de currículo e histórico escolar para o e-mail pessoasneccult@ufrgs.br

19 de setembro – Seleção de currículos e divulgação dos selecionados da primeira fase do processo seletivo

21 e 22 de setembro – Realização das entrevistas presenciais

22 de setembro – Divulgação do resultado final do processo no site do NECCULT

 

Documentos

Processo Seletivo de Iniciação Científica nº 001/2017

Processo Seletivo de Iniciação Científica nº 002/2017

Prorrogação do Prazo de Inscrições para os Processos Seletivos Nº 001 e 002/2017 para Assistente de Comunicação e Assistente de Pesquisa II

Lista de selecionados para Segunda Etapa do Processo Seletivo Nº 001/2017 

Lista de selecionados para Segunda Etapa do Processo Seletivo Nº 002/2017

Seminário Integração entre Arte, Ciência e Tecnologia acontece na próxima terça-feira

A primeira edição do Seminário: Integração entre Arte, Ciência e Tecnologia: inovação, impactos sociais e econômicos promovido pela Pró-Reitoria de Pesquisa, a Pró-Reitoria de Pós-Graduação e a Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico da UFRGS, será realizada no auditório da Faculdade de Arquitetura no dia 12 de setembro (próxima terça-feira) às 13h30.

Atualmente, a integração entre Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática (do inglês, STEM) é vista como estratégica para o desenvolvimento científico e tecnológico, bem como diferencial nas economias desenvolvidas. No entanto, um novo horizonte econômico e social se apresenta, onde a integração da Arte e Cultura às Ciências e Tecnologias tornam-se essenciais para o desenvolvimento de inovações disruptivas, bem como para o avanço do conhecimento nas economias contemporâneas. Este seminário explora o estado-da-arte dessa necessária integração entre domínios do conhecimento, reunindo pesquisadores de destaque na UFRGS.

A programação conta com a presença do coordenador do NECCULT, professor Leandro Valiati, que avalia a temática "Economia Criativa, Inovação Social e Desenvolvimento: novos fundamentos do capitalismo contemporâneo".

Os principais objetivos do seminário são:

1) divulgar os trabalhos nas áreas STEAM (STEM + Arts) visando o desenvolvimento de colaborações e projetos de pesquisa;

2) promover o desenvolvimento das áreas STEAM, que têm grande potencial de futuro, a partir da experiência dos pesquisadores da UFRGS;

3) divulgar entre jovens, alunos de Graduação e Pós-Graduação, e pesquisadores as possibilidades de atuação nas áreas STEAM;

4) divulgar junto à sociedade a importância desta integração áreas, inclusive do ponto de vista econômico, social e cultural.

O evento reunirá palestrantes do Instituto de Química, do Instituto de Informática, da Faculdade de Economia e Programa de Pos-Graduação em Design da UFRGS, além de representantes da PROPESQ, PROPG e SEDETEC.

 

PROGRAMA:

13h45min: Abertura – Manifestação da PROPG, PROPESQ e SEDETEC

14h – 14h30min: Prof. Henri Schrekker (Instituto de Química/UFRGS): “NANORESTART – Nanomateriais para a Restauração de Arte”

14h30min: Prof. Marcelo Walter (Instituto de Informática): “Computação e Arte: de aplicativos para museus à visualização interativa das obras de Van Gogh”

15h00: Prof. Régio Pierre da Silva (PPG Design): “Aplicações/pesquisas do design como ciência na sociedade”

15h30min – 15h45min: Coffee break

15h45min: Prof. Manuel Menezes de Oliveira Neto (Instituto de Informática) “Computação Visual e seu Impacto sobre STEAM”

16h15min: Prof. Leandro Valiati (Faculdade de Ciências Econômicas) “Economia Criativa, Inovação Social e Desenvolvimento: novos fundamentos do  capitalismo contemporâneo”

16h45 – 17h30min: Painel: “From STEM to STEAM”: A integração entre Arte, Ciência e Tecnologia e seu impacto na inovação e na sociedade. Painelistas: Celso Loureiro Chaves (PROPG) e José Luis Ribeiro (SEDETEC); moderador: Luís Lamb (PROPESQ).

As inscrições poderão ser realizadas na hora do evento. Para mais informações: divulgacao@propesq.ufrgs.br ou (51) 3308-4102.

III Encontro Internacional da Economia Criativa ocorre na Bahia, em novembro

O III Encontro Internacional da Economia Criativa será realizado entre os dias 08 e 10 de novembro, em Salvador e Santo Amaro. O evento tem por objetivo conectar o debate teórico com as práticas da economia criativa para fomentar reflexões sobre tendências contemporâneas e promover a qualificação de atores criativos e o fortalecimento de redes de cooperação. Esta edição tem como temática Áfricas Criativas, a fim de discutir o sistema cultural e os elos das cadeias produtivas das artes e da cultura afro-brasileira e afro-baiana no Brasil, no continente africano e nas mais diversas diásporas negras no mundo. 

A programação será descentralizada e ocorrerá em Salvador (ICBA) e na cidade de Santo Amaro (Teatro Dona Canô), no Recôncavo da Bahia. Ademais, além das palestras e mesas redondas com convidados, haverá apresentação de trabalhos nas seguintes modalidades: artigo científico, relato de experiência, mesa temática, trabalho técnico e encontro de rede. A submissão já está aberta e pode ser realizada até o dia 24 de setembro.

O evento reunirá artistas, produtores, gestores e pesquisadores dos setores criativos, além de representantes de organizações públicas, privadas e da sociedade civil. A programação está focada em discussões conceituais e empíricas sobre a dimensão econômica das artes e da cultura, com destaque para as políticas públicas e as iniciativas empreendedoras de sustentabilidade e inovação.

O evento é organizado pelo Observatório da Economia Criativa da Bahia (OBEC-BA), pelo Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Prof. Milton Santos (IHAC), da Universidade Federal da Bahia (UFBA), pelo Centro de Cultura, Linguagens e Tecnologias Aplicadas (Cecult) da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB). O projeto tem apoio financeiro do Governo do Estado da Bahia, por meio do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda e Secretaria de Cultura da Bahia, e apoio institucional do Instituto Cultural Brasil Alemanha, do Ministério da Cultura e do Teatro Dona Canô.

Como se dá o apoio público à cultura no Brasil?

Desde a década de 1990, a partir das reformas de enxugamento do Estado, a Lei de Incentivo à Cultura (LIC), mais conhecida como Lei Rouanet, tem sido predominante no fomento cultural público do país. Com a LIC, o Estado abdica da arrecadação de uma parcela do imposto de renda para que os contribuintes privados se engajem em mecenato, no financiamento direto aos agentes executores de atividades e bens culturais. Nessa modalidade, a captação de recursos para o fomento à cultura fica sob deliberação do mercado. O funcionamento dessa renúncia fiscal inicia-se com a seleção, por parte do Ministério da Cultura, da Comissão Nacional de Incentivo à Cultura, composta por representantes da sociedade civil. A ela cabe a seleção de projetos em que identifiquem valor cultural, para que esses possam ir a público captar recursos passíveis de dedução no imposto de renda. Quando o valor é aprovado para o proponente e a sua carta de concessão, emitida, a busca de incentivadores privados (especialmente no meio empresarial) pode ser iniciada. O valor investido pode ser abatido em até 4% do imposto de renda de pessoas jurídicas e em 6% da tributação de pessoas físicas. Com esse mecanismo, a sociedade civil ganha protagonismo no processo, poupando custos administrativos e criando novos canais para a facilitação e ampliação do investimento privado.

Contudo, esse mesmo benefício reside em uma lógica de sociedade como mercado, abstendo-se da função da política pública como espaço de arbítrio social. Dessa forma, em última análise, termina cabendo ao empresariado a decisão final sobre as atividades culturais subsidiadas pelo Estado. Nesse sentido, mesmo embebida da lógica do mercado, a Lei Rouanet tem se mostrado ineficaz na dinamização e pluralização da Economia da Cultura, com pouco mais de 50% dos projetos aprovados captando apenas 20% do valor total concedido. Ademais, a concentração regional também deve ser enfatizada: no acumulado dos mais de vinte anos de Lei, 80% dos recursos foram captados por projetos na região Sudeste, em especial, do eixo Rio-São Paulo, de forma desproporcional, mesmo considerando os padrões demográficos. O poder de veto do empresariado sobre os projetos culturais efetivamente pode estar no seio dessas distorções. Nem mesmo o fortalecimento e pluralização das atividades do MinC nas últimas décadas reduziu o protagonismo da Lei Rouanet no sistema nacional de fomento. Em 2015, o MinC investiu R$ 320 milhões em projetos, enquanto abdicou de R$ 1,8 bilhão por meio da Lei Rouanet.

Nesse sentido, vale ressaltar que a efetivação do fomento público cultural passa pelo poder adquirido pelos grandes incentivadores privados. Em 2015, as 10 empresas que mais financiaram pela Rouanet empregaram 20% do total subsidiado pelas mais de 3 mil incentivadoras, refletindo uma assimetria de que derivam perniciosas barganhas. Dessa forma, pode-se afirmar que as contradições do sistema de fomento surgem do distanciamento das políticas da diversidade e da pluralidade, que são inerentes à cultura, subvertendo-as ao cálculo publicitário de um número reduzido de mecenas. Ainda assim, o subsídio à cultura não está nem próximo de isenções fiscais como para as igrejas, para o setor automotivo ou para as Olimpíadas. Desta maneira, a atenção recebida pelo tema abre uma importante janela de oportunidade para a reflexão sobre formas de aprimorar os recursos públicos investidos na área no Brasil.

No site do OBEC, também estão disponíveis informações sobre o nosso projeto de pesquisa, "Fomento à Cultura Brasileira: Políticas e Indicadores".

Com base na matéria “Financiamento em Debate”, de autoria de Leandro Valiati e Lucas de Oliveira Paes, publicada no Jornal da UFRGS, em agosto de 2016.

NECCULT seleciona Desenvolvedor Web - Selecionados para entrevista

RESULTADO FINAL - SELECIONADOS


O Núcleo de Estudos em Economia Criativa e da Cultura está selecionando bolsista para a vaga de Desenvolvedor Web (back end), até o dia 22 de agosto.

A vaga tem como requisitos estar regularmente matriculado em curso técnico, de graduação ou pós-graduação da UFRGS; conhecimento de PHP e/ou Python, HTML5, CSS3 e Javascript/jQuery; e familiaridade com Bando de Dados Relacional e com Sistema de Versionamento de Código. Ainda, é desejável experiência com frameworks de programação, familiaridade com o padrão MVC e conhecimento de ferramentas de documentação de código.

As atribuições da vaga estão disponíveis no Termo de Referência, bem como informações de carga horária e remuneração.

Os interessados devem enviar currículo atualizado para o e-mail neccult@ufrgs.br até o dia 22 de agosto.

 

Cronograma da seleção

Até 22 de agosto – Inscrições mediante envio de currículo para o e-mail neccult@ufrgs.br

23 de agosto – Seleção de currículos e divulgação dos selecionados para a fase de entrevista

24 de agosto – Realização das entrevistas

25 de agosto – Divulgação do resultado final no site do NECCULT

Termo de Referência – Assistente de TI (Desenvolvedor Web- front end)

PT ES EN